Faixa publicitária
Faixa publicitária
Os Emblemas

 

CRUZ VERMELHA

O emblema que surge na origem do nosso Movimento é uma cruz vermelha em fundo branco, tendo sido adoptada em 1863. É um dos símbolos mais reconhecidos mundialmente. Aparece-nos esta forma porque se trata da inversão das cores da bandeira da Suíça, país de Henry Dunant, fundador da Cruz Vermelha.

Aquando da adopção da primeira Convenção de Genebra, em 1864, representantes dos Estados acordaram que hospitais, ambulâncias  e equipas de evacuação no campo de batalha deveriam utilizar uma bandeira com uma cruz vermelha em fundo branco e o pessoal que gozasse de neutralidade deveria utilizar uma braçadeira com o mesmo desenho. Cada Sociedade Nacional, dependendo do emblema que escolheu, adopta o seu nome.

 

 CRESCENTE VERMELHO

À cruz vermelha juntou-se o crescente vermelho em 1876, na sequência da guerra entre a Rússia e a Turquia. O Império Otomano, embora já tivesse assinado a Convenção de Genebra de 1864 sem qualquer reserva quanto ao seu conteúdo, declarou que passaria a usar o crescente vermelho para marcar as suas próprias ambulâncias, continuando a respeitar a cruz vermelha como símbolo protector das ambulâncias do inimigo. O uso do crescente vermelho passou a ser prática corrente no Império Otomano.  Assim, em 1929, a Conferência Diplomática reconheceu este símbolo para todos os países que já o tinham utilizado, sendo hoje em dia utilizado essencialmente em países muçulmanos.

 

CRISTAL VERMELHO

Os emblemas da cruz vermelha e do crescente vermelho são muitas vezes percepcionados como tendo conotação religiosa, cultural ou política. Esta percepção afectou o respeito pelos emblemas e diminuiu a protecção que os emblemas oferecem às vítimas e ao pessoal humanitário e médico. Com vista a um Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho cada vez mais universal e símbolo reconhecido do trabalho humanitário neutro e imparcial,  foi adoptado o III Protocolo Adicional às Convenções de Genebra instituindo um novo emblema, o cristal vermelho. O novo emblema, com estatuto igual à cruz vermelha e ao crescente vermelho, confere protecção às vitimas e equipas humanitárias em situações de conflito em que não é utilizada a cruz vermelha ou o crescente vermelho.