Faixa publicitária
Faixa publicitária
Princípios e Valores Humanitários

 

Os 7 Princípios Fundamentais são a filosofia comum a todas as componentes da organização e guiam toda a missão e acção do Movimento Internacional. Foram adoptados na XX Conferência Internacional de 1965 em Viena e em recomendações da XXV Conferência Internacional de 1986.

 

HUMANIDADE 

A Cruz Vermelha nasce da preocupação de prestar auxílio a todos os feridos, dentro e fora dos campos de batalha; de prevenir e aliviar, em todas as circunstâncias, o sofrimento humano; de proteger a vida e a saúde; de promover o respeito pela pessoa humana; de favorecer a compreensão, a cooperação e a paz duradoura entre os povos.  

Saiba mais sobre o princípio da humanidade

   

 IMPARCIALIDADE 

A Cruz Vermelha não distingue nacionalidades, raças, condições sociais, credos religiosos ou políticos, empenhando-se exclusivamente em socorrer todos os indivíduos na medida dos seus sofrimentos e da urgência das suas necessidades.

Saiba mais sobre o princípio da imparcialidade

 

NEUTRALIDADE 

A Cruz Vermelha, a fim de conservar a confiança de todos abstém-se de tomar parte em hostilidades ou em controvérsias de ordem política, filosófica ou religiosa.

Saiba mais sobre o princípio da neutralidade

 

INDEPENDÊNCIA 

A Cruz Vermelha é independente. As sociedades nacionais, auxiliares dos poderes políticos nas suas actividades humanitárias e submetidas às leis dos países respectivos, devem, entretanto, conservar uma autonomia que lhes permita agir sempre segundo os princípios da Cruz Vermelha.

Saiba mais sobre o princípio da independência

 

VOLUNTARIADO 

A Cruz Vermelha é uma instituição de socorro voluntária e desinteressada.

Saiba mais sobre o princípio do voluntariado

 

UNIDADE 

A Cruz Vermelha é uma só. Em cada país só pode existir uma sociedade, que está aberta a todos e estende a sua acção a todo o território nacional.

Saiba mais sobre o princípio da unidade 

 

UNIVERSALIDADE 

A Cruz Vermelha é uma instituição universal, no seio da qual todas as sociedades nacionais têm direitos iguais e o dever de entreajuda.

Saiba mais sobre o princípio da universalidade